4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3

4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3

Continuando sobre as postagens da Intervenção nutricional nas creches, nesta terceira parte vamos falar sobre a abóbora e abacaxi. (Veja a primeira parte e segunda parte).

Nesse dia as nossas estagiárias se vestiram de abóbora e contaram a história da chapeuzinho cor de abóbora, quanto ao abacaxi, elas falaram das propriedades e realizaram uma atividade de colagem, distribuíram um abacaxi para cada criança colocar casca de lápis de cor para completar o abacaxi.
Essa intervenção foi feita de uma forma lúdica para que as crianças compreendam a importância de consumir certos tipos de alimentos, abaixo vou colocar na integra a nossa história da chapeuzinho cor de abóbora, divirtam-se.

CHAPEUZINHO COR DE ABÓBORA
Era uma vez uma menina gordinha, de grandes bochechas. Todo mundo gostava muito da menina, e a avó dela mais ainda, tanto que fez uma capinha com capuz para ela. A roupa era cor de abóbora, bem escandalosa mesmo, e a menina usava o tempo todo. Por causa disso as pessoas puseram um apelido nela “CHAPEUZINHO COR DE ABÓBORA”.
Então, um dia, a mãe da menina chamou-a e disse:
- Chapeuzinho, leve essa torta de abóbora com cobertura de cereja para sua avó, que vive lá n meio da floresta. Ela está muito magrinha e isso via fazer ela se sentir melhor.
- Pode deixar, mamãe - disse a chapeuzinho lambendo os beiços porque ela adorava comer.
- E tome cuidado. Não saia do caminho porque a floresta é muito perigosa – completou a mãe.
Então a chapeuzinho colocou a torta numa cesta, e deu um beijo na mão e partiu.
No caminho, ela cantava assim:
“Almocei agora, mas já o com fominha, pena que esse doce é para a vovozinha”
Chapeuzinho foi indo pela floresta até que, de repente, o lobo saiu de trás de uma moita.
- Bom dia, menina do chapeuzinho cor de abóbora.
- Bom dia, senhor.
- O que você está trazendo nessa cesta?
- Uma torta de abóbora com cobertura de cereja.
- Para mim?
- Não. E nem para mim, infelizmente, estou levando essas coisas para a minha avozinha, que vive lá no meio da floresta.
Então o lobo pensou: “ Estou com tanta fome que podia comer essa menina como tira-gosto, sua avó como prato principal e a torta como sobremesa. ”
Mas ele não podia comer ela ali, pois algum caçador podia escutar os gritos da menina.
Foi quando o lobo teve uma ideia e disse:
-Está vendo aquela trilha? Ela também vai parar a casa da sua avó. É um pouco mais longa mais está cheia de arvores de frutas, por que você não vai por ali?
- Que apetitosa ideia senhor lobo, vou fazer isso mesmo!!
Assim, a chapeuzinho pegou o outro caminho e foi catando as frutas pela trilha. Enquanto isso, o lobo foi pelo caminho mais curto até a casa da vovozinha. Quando chegou, bateu na porta...

- TOC, TOC, TOC...
- Quem bate? – disse a vovozinha
- Sou eu a sua netinha. – disse o lobo imitando a chapeuzinho – Vim trazer a torta da senhora!

A vovó levantou bem contente e abriu a porta, mas então o lobo pulou sobre ela e engoliu a pobre vovozinha de uma vez só. NHOC!!
Depois disso, ele deu um tremendo arroto, UORC!, vestiu as roupas da vovó( que ficaram apertadas, por que o lobo ficou bem gordinho depois de come a velhinha), deitou-se na cama parar esperar a chapeuzinho.

Quando a menina chegou á casa da avó e bateu na porta, o lobo falou lá de dentro, imitando a voz da velhinha.
- Quem bate?
- Sou eu vovó, chapeuzinho cor de abóbora.
- Pode entrar, minha querida, eu não via a hora de você chegar!
Chapeuzinho abriu a porta e foi até a cama da avó. O lobo estava embaixo das cobertas e usando a touca da velhinha, de modo que não se podia ver sua cara feia. A menina então perguntou:
- Vovó, por que você tem orelhas tão grandes?
- São para escutar quando o leiteiro passa.
- E esses olhos tão grandes?
- São para ver os bolos crescerem.
- E essas mãos tão grandes?
- São para segurar melancias e jacas.
- E esse nariz tão grande?
- É para sentir o cheiro do pão quentinho.
- E essa boca tão grande?
- Essa é para te comer mesmo.! – Gritou o lobo, e dizendo isso ele saltou sobre a menina e a engoliu de uma só vez. NHOC
Depois, o lobo voltou para a cama e foi tirar uma sonequinha. Mas como estava com a barriga muito cheia, começou a roncar bem alto, tão alto que o caçador escutou e resolveu dar uma olhada.
Quando abriu a porta viu o lobo dormindo com as roupas da vovó, o caçador ficou de boca aberta!
Então colocou balas na espingarda, apontou para o lobo e...... e não fez nada. Não fez nada porque pensou que a vovó ainda poderia estar viva lá dentro do lobo.
Ai pegou uma grande tesoura e quando foi corta a barriga do lobo, quando estava quase começando o lobo acordou e NHOC engoliu o caçador também.
O pior é que Depois de comer o caçador o lobo disse:
- O caçador era muito salgado, isso me deu vontade de comer um docinho. Já sei, posso comer a torta de abóbora com cobertura de cereja.
Então ele foi e comeu toda a torta, e quando viu que tinha esquecido de comer a cereja de cima da torta pensou: “ Acho que cabe ainda mais alguma coisinha”
Então ele pegou a cereja e comeu. Mas ele já estava com a barriga tão cheia, mais tão cheia que BUUUUM. O guloso explodiu...
E assim a vovozinha, a chapeuzinho e o caçador conseguiram sai da barriga despedaçada do lobo.
A vovó aprendeu que não se pode deixar estranhos entrar em casa....
A chapeuzinho aprendeu que deve sempre obedecer a mamãe....
E o caçador aprendeu que nunca deve se meter em situações que não são suas....

Realizado pelas estagiarias e estudantes da UNIP Andressa e Tatiane com a supervisão da nossa nutricionista Sandra Bernardis.

4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3
4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3
4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3
4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3
4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3
4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3
4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3
4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3
4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3
4° Ciclo das nutricionistas nas creches - Parte 3

 

Contato

  • (11) 2672.1200
  • fcg@fcg.org.br
  • Rua Salvador do Vale, 9
  • Vila Formosa - São Paulo